Entrevista com Ricardo Rato. 11/12/2014

Ricardo Rato, treinador paulista, radicado nos EUA , fala um pouco sobre as diferenças entre os dois países no MMA e como foi a preparação do peso -pesado Gabriel Napão para o UFC  Fight Night em  Phoenix, que enfrentará o americano Matt Mitrione nesse sábado.

 

Como estão as expectativas para a luta de sábado?

O Napão está voando baixo para essa luta. O camp foi o melhor possível com treinadores de alto nível em todas as áreas e ótimos sparrings. . Estamos muito confiantes que ele conseguira impor seu jogo desde o começo da luta e sairá com um resultado positivo .
Como e quando começou essa parceria com o Gabriel Napão?
Conheço o Gabriel há mais de 12 anos ! Nos conhecemos em São Paulo quando ele foi treinar na academia do Macaco , onde eu treinava na época . Criamos uma amizade muito bacana, desde então sempre estávamos acompanhando os treinamentos um do outro..e nos revezávamos nos corners … Sempre tento acompanhar o Training Camp dele e estou presente em praticamente todas as suas lutas nesses 10 anos de carreira dele no UFC.
Você tem dividido sua vida entre Brasil e Estanos Unidos, como isso funciona?
Venho trabalhando com luta nos EUA há mais de 10 anos ,seja dando aulas ou participando de Training Camps. A primeira vez, vim a convite do Gabriel Napão, ,e desde então , faço esse trabalho com ele e outros atletas profissionais , sejam de Grappling ou MMA. O mundo da luta nos EUA está sempre crescendo e com certeza pretendo continuar fazendo essa ponte entre Brasil e EUA.
 Qual a diferença entre trabalhar com atletas no Brasil e nos EUA?
Trabalhar com os atletas de luta nos EUA é significantemente mais fácil pela tranquilidade e qualidade de vida que a vida nesse país proporciona ao atleta. O fato de o atleta poder se concentrar única e exclusivamente no treino, permite um melhor desempenho e uma recuperação física e mental mais rápida e de qualidade . O acesso aos equipamentos e suplementação de melhor qualidade e o menor custo fazem uma diferença importante também.
 O que nós brasileiros, podemos aprender com os americanos?
 No Brasil temos grandes profissionais no meio da luta. Atletas , treinadores , médicos e nutricionistas . Não devemos nada a nenhum país no mundo com relação ao material humano, mas dificilmente conseguiríamos imitar o processo que conseguimos aplicar aqui nos EUA, no Brasil, por problemas sócio econômicos . A obrigação do atleta no Brasil em ter que trabalhar longas jornadas ,dividindo seu tempo com o treinamento em comparação com o quê o americano faz , resulta em uma diferença muito grande no preparo do atleta . Acredito estarmos longe ainda de termos um modelo favorável que permita aos nossos atletas, desenvolverem todo seu potencial . É uma pena!
 O que os americanos podem aprender com os brasileiros? 
Acredito que o brasileiro é mais criativo . Sempre se adaptando e desenvolvendo novas maneiras de suprir a falta de recursos. Acho que  se o americano imitasse isso seria um grande passo p eles e uma pedra enorme para nós (risos).